Destaques da RBCP

Mortalidade em portadores de doença inflamatória intestinal submetidos a tratamento cirúrgico

Artigo publicado no J Coloproctol. (Rio J.) 2017;37:116-22

Renato Vismara Ropelato, Paulo Gustavo Kotze, Ilário Froehner Junior, Danieli D. Dadan, Eron Fábio Miranda



RESUMO

Introdução
A partir da década de 60, a mortalidade dos portadores de doença de Crohn (DC) e a Retocolite Ulcerativa Inespecífica (RCUI) teve declínio devido a novas terapêuticas clínicas e cirúrgicas. Importante proporção destes pacientes é submetida a procedimentos cirúrgicos no decorrer das suas vidas, com taxas de mortalidade variando entre 4 e 10%.

Método
Foram identificados retrospectivamente 157 pacientes portadores de doenças inflamatórias intestinais (DII), submetidos a operações abdominais ou perineais, divididos em dois grupos (DC e RCUI). Os casos de óbitos foram discriminados e avaliados individualmente, de forma descritiva.

Resultados
281 operações foram realizadas. No grupo RCUI foram realizadas 43 operações em 24 pacientes, no subgrupo DC abdominal, 127 operações em 90 pacientes e no subgrupo DC perineal, 115 em 64 pacientes, respectivamente. Do total de 9 óbitos, 3 ocorreram no grupo RCUI e 6 no DC. A mortalidade geral nas DII foi de 5,7%. Para a DC, 4,5%. No subgrupo de operações abdominais foi de 6,6% e para a RCUI 12,5%. A maior parte dos óbitos estavam relacionados a procedimentos de urgência/emergência, com uso prévio de corticoterapia. A causa mortis em todos os pacientes foi sepse.

Conclusões
A taxa de mortalidade cirúrgica nas DII foi de 5,7%, atribuidas pela severidade dos casos.




Listagem de Conteúdos

Voltar
Scroll to top